26 de out de 2010

Quando R$ 160,00 é mais que R$ 500,00 ?



               
Aproximadamente um mês atrás fui à Ibiúna, cidadezinha próxima a Sampa, visitar a família que estava reunida por lá curtindo um fim de semana friozinho. Nesse dia(sábado) eu participei de uma reunião do Conselho da Igreja Presbiteriana Betel e por isso, saí tarde da reunião sozinho para a viagem.
Eu estava atrasado para a reunião familiar, de escala para trabalhar no domingo seguinte e precisava trazer a esposinha e o filhote depois de algumas horas de diversão pra Sampa sábado mesmo; se resolvesse dormir por lá, fatalmente não chegaria a tempo para as atividades do domingo;
Pano de fundo exposto, lá vou eu não na Estrada de Santos, mas na de Ibiúna correndo como não é meu costume (mesmo!), afinal, tinha pouco tempo para passar com toda a galera lá no interiorzão de Ibiúna; foi quando me deparei com tráfego; sim, aqueles dois carros lerdos que a gente sempre encontra quando mais está desesperado pra chegar no nosso destino, sabe? Foi então que quebrei uma das regras mais básicas de transito e antes de tudo, pessoais; cortei pela esquerda (contramão) e ultrapassei os dois carros.  Yeah! – num primeiro momento, com a consciência já me martelando, num segundo, observei umas luzes à frente. Eram fiscais, guardas de transito, um de um lado da estrada e outro no outro.
A mente essa hora já disparou a se condenar e se xingar: Burrooooo! Você sabe que não pode fazer nada errado que sempre sobra pra você!
Claro me mandaram parar, desci do carro já com os documentos e pronto a ouvir. Eu sei que as autoridades estão ai com poder para organizar, fiscalizar e diante dessa situação o que eu poderia fazer? A bíblia ensina assim. Baixei a cabeça e esperei;

Sr. Samir, por que o Sr. fez uma ultrapassagem na contra-mão, faixa contínua no chão? – disse o guarda.
Eu estava com tráfego a frente e os carros eram bem lentos, dificultando o desempenho da viagem; - respondi.
Bom, o Sr. sabe que isso não é permitido e vou precisar multar o Sr. – me informou.
Sim. O Sr. está certo, pode multar. – respondi, triste comigo mesmo (Burroooo).
Veio, então, a informação:
É uma multa de aproximadamente R$ 500,00, ok? – disse o guarda.
Engoli seco, (quase me dei um mata-leão ali mesmo) e respondi:
Tudo bem. – A dor na alma por saber que de uma maneira tão idiota eu ia perder um dinheiro (muito), útil pra tanta coisa; mas se tinha que ser assim, bola pra frente.

Ele pegou meus documentos e documentos do carro e passou a fazer todo o procedimento para a execução da multa;
Bom, depois disso, você deve imaginar como foi meu resto de dia. Fiquei triste comigo por fazer uma bobagem, estar longe da família, cansado e agora com uma multa de R$ 500,00 para pagar. Que beleza!
Finalmente(!?) a multa chegou semana passada! E a razão para esse pequeno relato nasceu, pois ao conferir o valor quase caí pra trás, de alegria: R$ 190,00. E se eu pagar antes da data do vencimento: R$ 160,00. Isso mesmo: CENTO E SESSENTA REAIS!
Claro que eu ganhei o dia e fiquei feliz por não ter que pagar tanto dinheiro mas imediatamente outro pensamento me veio a mente lembrando o procedimento do guarda de transito;
Poxa, porque tanta diferença no valor que ele me passou e o valor que recebi para pagamento? Com o caráter das pessoas da sociedade que temos, confesso que já “ganhei” o procedimento dele. Infelizmente eu cheguei a conclusão de que de uma maneira sutil, ele tentou levantar um dinheirinho extra comigo;
AQUI NÃO RAPÁ! Desobedeci a uma lei de trânsito e arco com esse prejuízo, mas pagar dinheiro pra guarda corrupto, JAMAIS!

Mais uma vez digo: EU ERREI! Não escondo meu erro ao ultrapassar erroneamente os lerdos carros na contramão e estava e estou (pois vou pagar) disposto a arcar com meu erro mas fiquei feliz comigo por não ser mais um que alimenta essa indústria de corrupção;

Então, aprenda:
1.       Samir, não quebre seus princípios. Obedeça às leis de transito, como você normalmente faz – seu burrrooooo. Lembre que sempre foi assim. O erro não combina com você, ande na linha!
2.       Se errou, arque com as conseqüências! Não contribua com a iniqüidade em você e no outro, na sociedade.
3.       Arcar com as conseqüências valeu mais a pena que se corromper e pagar propina ao guarda. Viu!? Mais um exemplo pra mim mesmo de que preciso caminhar na linha. Os R$ 160,00 mais felizes que vou pagar.

Deus nos ajude a honrar e sermos mais obedientes às leis e principalmente aos Seus princípios.

Ah, fim de semana tem Ibiúna de novo. Já sabe como tem que dirigir né? Seu burrooooo!

Paz e bom dia a todos.