29 de mar de 2010

Estudando - Fundamentos

Tanto para se pensar a realidade criticamente, sem o risco de sínteses religiosas, quanto para que este processo auto-reflexivo seja bem sucedido, exige-se do cristão a constante e intensa apropriação da Palavra no coração em oração e fé (comunhão estreita com Deus).

Além disso, ter a Palavra e o Espírito habitando abundante e continuamente no coração é o ponto de partida para uma auto-reflexão radical que leva ao conhecimento de quem o homem verdadeiramente é
.

Como já vimos, este passo se processa originalmente por meio da regeneração e, posteriormente, por meio da santificação. Isso pressupõe o cultivo habitual do amor a Deus através da obediência integral à sua Palavra (guardar a Palavra no coração) e da oração.


A responsabilidade em analisarmos criticamente as culturas ao nosso redor, está diretamente ligada à nossa consagração, dedicação ao Senhor. Não vejo procedimento melhor para manter a mente mais clara para qualquer tipo de análise.

Santificai-vos. Transformai-vos pela renovação da mente.


25 de mar de 2010

É Graça irmão!

Não sei como algumas pessoas, as quais crêem que um Cristão pode cair da graça, conseguem ser felizes.
(Charles H. Spurgeon)

Essa frase me fez lembrar de um texto que gosto demais. Por vezes me emociono ao constatar o amor que Deus tem para com os seus. É segurança para minha vida, é conforto, consolo, é paz no meu coração, é a minha alegria, é o motivo dos meus louvores, da minha esperança, é tudo. Jesus é suficiente para meu viver.

Observe o texto:
Romanos 8:28-39

28 Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
29 Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.
30 E aos que predestinou, também chamou; aos que chamou, também justificou; aos que justificou, também glorificou.
31 Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?
32 Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça, todas as coisas?
33 Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica.
34 Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós.
35 Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?
36 Como está escrito: "Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro".
37 Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.
38 Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes,
39 nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Na verdade, o negrito poderia ficar com todo o texto exposto aqui pois cada palavra ganha um significado muito grande para garantias do cristão sobre a segurança que é a vida em Jesus.
É como se o próprio Deus se dirigisse a cada um de nós e falasse:
Você é meu!

Acabou qualquer medo, acabou qualquer insegurança proclamada por parte daqueles que questionam a fé, a graça e os reais benefícios que elas nos trazem.
Cientes disso a vida é vista e desfrutada de uma maneira totalmente diferente. E é claro que a arrogância não deve fazer parte disso porque os méritos não são de crente algum. Os méritos, as glórias são de Cristo, a palavra nos confirma isso:

Is 53:11 Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si.

Como não agradecer e ter uma vida que engradeça ao próprio Deus como resposta?

Eu não consigo ver de outra maneira. Usa-me Senhor, sou Teu eternamente.

24 de mar de 2010

Estudando Cosmovisão

"Portanto, quando é dito que o cultivo de uma cosmovisão cristã depende de um processo auto-reflexivo contínuo, por meio da Palavra e do Espírito, o que se quer dizer é que a recepção constante do ensino da Escritura, previamente interpretada pela presença do Espírito no coração, em oração e fé, é que servirá como matéria prima para a manutenção deste círculo virtuoso de interpretação redentiva da realidade. Sendo assim, o cristão biblicamente cardio-orientado ou teo-referente precisa confessar que há um significado verdadeiro do mundo, porquanto foi estabelecido por Deus através de sua Palavra criadora, e que esta fonte divina de significado (a Palavra) precisa estar concentrada continuamente na sede existencial, a partir da qual se processam as interpretações humanas (o coração) para que ele possa se conhecer verdadeiramente e ao mundo como ser-no-mundo-para-Deus."

Trecho de:
Reflexões Críticas Sobre Weltanschauung - Fabiano de Almeida Oliveira

23 de mar de 2010

Frase

"Não podemos inventar o cristianismo, nem podemos construir um evangelho artificialmente transformador, só podemos tomá-lo da história, porque ele já foi inventado por Deus"

Abraham Kuyper

22 de mar de 2010

Amor de Pai.

Amo meu filho e não o amo somente porque é um molequinho que dá muita risada, brinca, dorme bem e dá muito pouco trabalho. Já o amava quando se formava na mamãe e eu nem sabia que um menino seria. Já o amava pelo laço que me ligava tanto a ele, ser gerado por mim diretamente.
Comecei a entender a maneira como um judeu na época de Jesus compreendia o "ser filho". Para eles, se dizer filho de alguém era dizer que tinha a mesma essência básicamente do progenitor. Este conceito moveu inclusive uma das acusações para que se crucificasse a Jesus:

Jo 19:7 Os judeus insistiram: "Temos uma lei e, de acordo com essa lei, ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus".

No final das contas, contar sobre o amor que tenho por meu filho é simplesmente um momento de agradecimento a Deus por compreender um pouco melhor a Sua posição com relação a mim nesse aspecto de gerar e amar.

Um dos textos que me marcou a conversão foi o de João 1:11-13, falando sobre Jesus que veio para o que eram do seu povo, que acabaram negando-o e isso se estendeu graciosa e soberanamente no espaço/tempo determinado aos amados e gerados na eternidade. (eu tô aqui incluso ok!?):

11 Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam.
12 Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus,
13 os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus.

Obrigado meu Senhor por me gerar no Teu amor. Serei sempre grato e feliz por tudo isso.