15 de mar de 2012

Para minha Lídia - Sobre pais, filhos e alianças...


Sobre pais, filhos e alianças

“Quando vocês orarem, orem assim: ‘Pai...” Mt 6.9a

Momentos mágicos eu e minha esposa vivemos neste último domingo (11.03.12). Ver a filha nascer é coisa pra eternizar no coração de um pai; o choro, o serzinho tão pequeno e tão necessitado de mim, da mamãe, mágico!

Quando tomei minha filha nos braços inevitavelmente lembrei de alguns textos bíblicos a respeito da aliança de Deus com seus filhos, do seu cuidado, do pacto!

Eu e minha filha, neste momento com alguns dias de vida, estamos numa condição de contrato de responsabilidade em que não existe uma condição bilateral em que ambos tem responsabilidade igual; que havendo falha de uma das partes a outra ganha o direto de rompimento. Não, no universo pais e filhos não é e não deveria ser assim.  

Amigo, aqui é a maior expressão da necessidade de uma das partes agir para benefício do outro completamente incapaz de cuidar, ainda que de si mesmo. Essa é a condição de um pai com um filho. Eles entram em uma aliança, em um pacto não de comum acordo marcado num papel, mas os pais agem como que dando um primeiro passo para beneficiar o mais fragilizado.

Aqui estou dizendo a minha filha: vou cuidar de você, vou te dar um lugar para dormir, roupinhas (ainda que repassadas dos irmãos, que são benção, rs), lutar pela tua saúde, pela tua educação, alimentação etc. O que minha filha me oferece? Vejam ela só vai tomar meu tempo, minhas forças, meu desejo de me satisfazer é pisado para que eu a beneficie ao máximo. Sim, seu sorriso vai pagar meu salário, meu suor, receber seu beijo, seu abraço, sua dependência, sua gratidão, sua identificação, serão como que água no deserto, mas racionalmente esse não é o tipo de contrato que se toma. É muito risco. É muito ação e responsabilidade de um lado só.

Fico impressionado e emocionado ao ver que a aliança de Deus comigo ocorre nas mesmas bases. Sim, da mesma maneira que enxergo a fragilidade da minha filha e o quanto ela precisa de mim para cuidá-la nas suas necessidade mais básicas, assim Deus também me vê e age em minha direção com todo o cuidado, tratando o meu choro, minha fome, o frio que sinto, a necessidade de descanso, proteção, direção.

Não se lembra?

Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? 27 Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? 28 "Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. 29 Contudo, eu lhes digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles. 30 Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, não vestirá muito mais a vocês, homens de pequena fé? 31 Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer? ’ ou ‘que vamos beber? ’ ou ‘que vamos vestir? ’ 32 Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. 33 Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.
Mt 6.26-32


Deus, o que eu te acrescentaria? Deus o que há de diferente que eu possa te ensinar, te melhorar?  Reflito e vejo meu papel tão semelhante quanto o de minha filha em meus braços então, dependo...

Descanso...
Sou grato...
Filho, eu sou teu filho...


Para minha filha, Lídia;
Papai Samir Mesquita;

“Tenho uma aliança com você filha.”

Nenhum comentário: